Mudar: morrer e renascer dentro de mim!

Mudar: morrer e renascer dentro de mim! - doce cotidiano

Estava aqui pensando no tanto de mudanças que podem acontecer num curto espaço de tempo e no quanto nossas vidas podem mudar a partir de pequenas escolhas e atitudes diferentes das de antes.

Há seis meses atrás eu estava morando em Campinas, no centro cinza da cidade, num apartamento já pequeno para nós dois, sofrendo horrores no calor, tanto dentro quanto fora de casa. Eu não tinha muita vontade de sair caminhando por aí e minhas saídas se restringiam a alguma atividade específica, como fazer compras ou ir à consultas médicas.

Eu desejava ser voluntária num asilo, mas o fato de ser distante de casa e precisar pegar duas conduções me desanimava muito, então eu não fazia nada. Meus planos só ficavam no campo mental. Nada de ação!

As pessoas que eu conhecia na cidade eram ex colegas de trabalho e funcionários dos comércios que eu frequentava.

Eu passava a maior parte do tempo sozinha entocada no apartamento e achava que estava tudo bem em ser assim.

E então, enquanto eu visitava meus irmãos na Estônia no começo do ano, soube que mudaria pra Curitiba e tudo aconteceu enquanto eu ainda estava lá. Quando voltei pro Brasil, percebi que a realidade que eu havia vivido nos últimos anos não mais existiria. Meu apartamento já não era mais meu e meus objetos estavam morando em caixas na casa do meus pais, aguardando a minha chegada.

Essa mudança foi muito mais do que uma mudança de estado/cidade porque algo aconteceu dentro de mim. Uma parte minha que estava adormecida, despertou.

Meu novo apartamento, extremamente gelado, me fez sair de casa e, ao sair caminhando sem rumo pelo bairro, fui encontrando um novo caminho.

Descobri um asilo na rua de baixo de casa e vou lá duas vezes por semana.

Outros dois dias da semana eu vou num Centro Espírita que também não é muito distante do meu apartamento. Aproveito minha disposição pra caminhar e vou a pé. Além das pessoas incríveis que encontrei e que me receberam tão bem, o reencontro com a doutrina está me fazendo olhar pra mim e para as minhas atitudes com um pouco mais de atenção.

É engraçado pensar que fui encontrar meu lar tão longe de casa!

Não sei o dia de amanhã, ninguém sabe não é mesmo, por isso não posso afirmar quanto tempo ainda ficaremos por aqui. Mas enquanto aqui estou, vou formando meu lar com antigos e novos afetos, para poder carregar comigo bem dentro de mim para onde eu for, no lugar onde tudo mora, onde tudo vive, onde tudo cresce, morre e renasce, quantas vezes preciso for.