questionamentos

O suicídio, o escrever e a permanência

O suicídio, o escrever e a permanência - doce cotidiano

Quando eu era adolescente, pensar em suicídio era algo recorrente. Eu me odiava tanto que eu não queria mais ser eu. Eu não me sentia pertencendo a esse corpo, a essa família e a essa vida. Mas, por mais vontade que eu tivesse de deixar de existir, duas coisas me ajudaram a continuar aqui.

A primeira foi porque eu não queria “repetir o ano”. A crença no espiritismo, na época, me fez desistir de me matar porque eu não queria sofrer no pós-morte, eu não queria voltar para aprender as mesmas lições que não tinha aprendido, eu só queria que o sofrimento acabasse.

A segunda, e mais importante, foi a escrita. Quando eu escrevia poesias meio sombrias eu me suicidava inúmeras vezes e, ao me matar no papel, a vontade de sumir diminuía um pouquinho.

Hoje, quando eu me recordo dessa fase e de todos os sentimentos que a envolveram, penso nos questionamentos que eu me fazia. Por que meu eu adolescente se odiava tanto? De onde vinha tanta culpa? Por que eu não me achava merecedora de amor? Nenhuma resposta que me dei, na época, pareceu ser satisfatória.

Eu tenho uma ideia do que estava por trás dos meus sentimentos, mas ainda não estou pronta para falar sobre isso publicamente porque existem algumas caixinhas internas que eu não abri, outras eu abri mas não quis olhar o conteúdo, e as que abri e olhei estou tentando me dar um tempo pra lidar com as coisas que consigo, uma de cada vez.

Depois de tanto tempo me dedicando ao autoconhecimento, os sentimentos daquela fase da minha vida mudaram, por isso ainda estou aqui. Mas, percebo que não foi bem uma mudança de sentimento, acredito que tenha sido uma nova maneira de enxergá-los.

Coisas que eram imensas há duas décadas atrás, hoje parecem pequenas. E acho que costuma ser assim, né? Certas questões perderam o peso depois que aprendi a lidar com elas, outras questões surgiram pedindo atenção e começou tudo outra vez, mas com um pouco mais de facilidade para lidar com meus monstros.

O suicídio deixou de ser um desejo há muito tempo e nunca mais voltou a me assombrar, nem nos piores momentos. Mas por um bom tempo foi um pedido de ajuda silencioso, porque eu não expressava essa vontade pra ninguém, não de forma clara, pelo menos. Não sei se alguém conseguia imaginar o que eu sentia e pensava, porque apesar da minha escrita reveladora, eu tinha muitos amigos e estava sempre sorrindo na escola. Já em casa, a situação era outra.

Felizmente, com o passar do tempo, adquiri muitas “ferramentas” que me ajudaram a lidar com tudo aquilo que me desestabilizava, com os sentimentos que me oprimiam e com as situações que me abalavam. Mas, e se não tivesse sido assim? E se eu não amasse a escrita? E se, na época, eu não acreditasse em umbral e reencarnação? Gosto de pensar que eu teria arranjado outros meios e outras desculpas para permanecer aqui.

Fui dormir com essa lembrança na cabeça, peguei o celular e anotei no meu bloco de notas para não esquecer. Não me recordo do que trouxe esse assunto à tona, mas não consegui parar de pensar nisso e, automaticamente, inúmeras questões se formaram em minha mente.

Quantas pessoas não gostam de si mesmas? Quantas se perguntam se vale a pena viver? Quantas estão procurando um meio de tirar a própria vida?

De onde vem o sentimento de não pertencimento e inadequação? De onde vem a falta de amor próprio? De onde vem a vontade que gera a ação? Porque existe um vão entre a vontade de se matar e o ato em si. O que constrói essa ponte e o que nos faz atravessá-la?

É algo espiritual? É algo emocional? É alguma reação química que acontece no nosso cérebro? O que nos faz “puxar o gatilho”?

Quantos pedidos de ajuda silenciosos nós não escutamos? Quantos sinais não percebemos? Quem tira a própria vida realmente quer morrer ou só quer parar de sentir/viver algo?

Eu só posso falar por mim. O que eu queria de verdade era parar de sentir o que eu sentia com tanta intensidade; acho que nunca quis morrer realmente, porque provavelmente eu teria arranjado um meio para isso. Sentir sempre foi algo bem difícil pra mim, difícil e exaustivo. Muitas vezes, ainda é. Por isso tenho meus períodos de introspecção e recolhimento como um meio de recarregar as baterias, que é quando eu me preparo para uma nova rodada de sentimentos intensos .

Ainda estou aprendendo a lidar comigo e com o meu lado mais sombrio e, às vezes, parece que esse é um aprendizado eterno. Mas, felizmente, existe a escrita. Escrever sempre foi meu melhor exercício, meu exorcismo, minha redenção, foi o que me manteve viva.

E você? Tem algo que seja a sua válvula de escape? Tem algo que te faça permanecer?

Desempregada ou dona de casa?

desempregada ou dona de casa? - doce cotidiano

Outra semana, durante um depoimento, eu tive que responder algumas questões sobre mim; nome, data de nascimento, escolaridade, endereço, profissão e outros dados pessoais. Na hora de responder sobre a profissão eu disse “desempregada no momento”, mas logo que eu disse isso, senti um baita desconforto.

Eu estou desempregada? Eu me considero desempregada mesmo sem estar procurando um emprego? Eu deveria ter respondido “dona de casa” ou “do lar”? Qual é a minha situação?

A realidade do momento é que meu namorado paga as contas e eu cuido da casa. Não existe problema algum nesse arranjo se isso é um acordo do casal – e esse é o nosso caso. Então, por que me sinto incomodada quando tenho que falar para terceiros sobre a minha condição profissional?

Por que me importo, ainda, com o que os outros pensam sobre a minha vida? Que parte minha julga essa situação como inadequada? Por que me sinto menos por não estar contribuindo financeiramente em casa? Essa é uma questão tão minha! Não existe nada no meu relacionamento que me faça sentir mal sobre isso. O Ciro não me pressiona para que eu volte a trabalhar, ele não me cobra nada e sempre me apoia. Eu não tenho nada a reclamar, sério. Então, por que me sinto assim?

A todo momento que encontro algum conhecido, logo depois que me perguntam se estou bem, vem a pergunta seguinte: com o que você está trabalhando, o que você está fazendo da vida? Bom, eu estou vivendo. Mas, isso não parece ser o suficiente pra mim. Porque, em algum ponto da nossa história, nos definimos e nos descrevemos pelo o que fazemos e não por quem somos. Já reparou nisso? Uma das primeiras coisas que as pessoas falam sobre si mesmas é a profissão. “Olá, sou Fulano, advogado”, “bom dia, me chamo Sicrana, sou empresária”. Mas, a sua profissão não é quem você é. Você não É advogado, você ESTÁ advogado. Mas, a gente mistura tudo, talvez por não saber de verdade quem somos. Sei lá. Só posso falar por mim.

O que percebi é que ainda existem algumas questões e bloqueios internos a serem trabalhados nessa área da minha vida. Eu quero voltar a ganhar dinheiro por uma infinidade de razões e eu sei que isso vai acontecer mais cedo ou mais tarde, mas ainda coloco muita pressão em mim. Parece que certos comportamentos requerem um pouco mais de tempo para mudar, ainda mais quando fizeram parte da minha vida por tanto tempo, como a autocobrança e a autodepreciação.

Entendo que, mais do que não querer me definir por uma palavra relacionada a alguma profissão, o meu ponto de incômodo aqui é o DINHEIRO, mais precisamente o fato de não estar ganhando nenhum. E isso tem a ver com a minha dificuldade de receber, com o fato de me sentir menos por estar dependendo financeiramente de alguém, mesmo que esse alguém seja meu parceiro.

Eu poderia pensar que voltar a ganhar dinheiro seria a solução para esse “problema”, mas sei que o buraco é mais fundo, porque na época que eu trabalhava já me sentia NÃO merecedora, essa dificuldade ainda é uma questão que necessita de aceitação e acolhimento. E, apesar do desconforto em falar desse assunto, sou grata por poder viver essa experiência que me faz lidar com questões que me desafiam e me ensinam diariamente.

Ainda estou aprendendo a conhecer quem eu sou enquanto tento me desvencilhar de ideias preconcebidas sobre quem eu deveria ser.

A pergunta universal

a pergunta universal - doce cotidiano

Será que sou boa o bastante?

Todo mundo se sente incapaz e se questiona em algum momento da vida?

Sempre duvidei de mim mesma e, por mais que soubesse que era boa em algo, sempre pensei que não era boa o suficiente. O suficiente pra mim, o suficiente pro outro, o suficiente para obter sucesso. E, mesmo sabendo que me comparar com o outro era a certeza da frustração, eu não conseguia deixar de pensar que sempre existiria alguém melhor do que eu.

Eu sei que cada um tem algo único para contribuir, sei também que não é importante o quanto o outro é bom em algo, porque ninguém tem a mesma combinação de características que eu tenho, portanto, temos coisas diferentes a oferecer. Mas, ainda assim, me questiono, me coloco pra baixo, me imponho limites e não ouso ultrapassá-los.

Pensar que eu não sou boa o suficiente não me incentiva a perseverar, na verdade, é um sentimento castrador. Para algumas pessoas pode ser que tenha o efeito contrário, talvez, para elas, o NÃO seja um impulso para buscar o SIM.

Acho que o autoconhecimento é tão importante justamente por causa disso! A gente precisa entender que tipo de pessoas nós somos frente aos desafios para saber como lidar com eles. Não existe uma regra universal, a fórmula é quase tão individual quanto a impressão digital; cada um tem a sua.

Olhar pro lado, pra mim, só é bom se for para buscar inspirações; porque se eu busco algum incentivo, algum motivo, algo que me faça perseverar, devo olhar somente pro espelho.

Essa é a maneira que encontrei para lidar com as minhas dúvidas sobre mim e com o meu costume de desistir, e ainda estou tentando. É quase como tentar abandonar um vício; já tive inúmeras recaídas e talvez ainda tenha outras mais. O segredo é a persistência?

E você, o que você faz quando não se acha bom o bastante? O que te faz seguir em frente e não desistir?