livro

Alguns livros dessa jornada

Minha casa sempre foi repleta de livros, de todos os tipos, graças à minha mãe. Eu ganhei meu primeiro conto de fadas aos três anos de idade – ainda tenho esse livro – e, desde que aprendi a ler, meu universo ganhou mais cor e mais vida com a paixão pela leitura.

Eu amava quando éramos obrigadas a ler os livros pedidos na escola. Minha mãe mal comprava e eu já os devorava, como uma esfomeada, numa gana por viajar naquelas páginas e descobrir novos mundos e sentimentos. A literatura sempre foi meu grande prazer e é assim até hoje.

Já deixei de comer simplesmente porque estava tão absorta lendo que eu me esquecia de almoçar ou jantar. Não existe outra coisa no mundo que prenda minha atenção e meus sentidos dessa forma tão intensa, não como um bom livro.

Além de um bom romance, livros policiais, suspense e ficção científica, também curto muito estudar através da leitura. Tenho mais facilidade em absorver uma informação quando a leio do que quando a escuto.

Hoje quero compartilhar seis livros que tiveram, e ainda tem, um papel muito importante nessa minha viagem do autoconhecimento.

AME A REALIDADE, da Byron Katie

ESCOLHA SUA VIDA, da Paula Abreu

LIMITE ZERO, Joe Vitale e Ihaleakala Hew Len, PhD (Sobre Ho’oponopono)

AMAR E SER LIVRE, Sri Prem Baba

COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA, Marshall B. Rosenberg

O PODER DO AGORA, Eckhart Tolle

Eu já tive bastante preconceito com os livros considerados de autoajuda, tinha até vergonha de comprá-los em livrarias físicas porque não queria que me vissem como “fracassada” ou desesperada. Uma baita babaquice, eu sei.

Hoje enxergo esses livros de uma outra forma, porque eu vejo esses autores como seres humanos que também passaram por dificuldades, que também estão em busca de si mesmos, que descobriram uma forma diferente de lidar com suas questões e resolveram compartilhar suas jornadas e descobertas através da escrita.

Seja como um instrumento de aprendizado ou como lazer, a leitura é sempre um excelente hábito. Recomendo!

Ah, aceito dicas de livros.

Menos objetos e mais sonhos

Já faz um tempo que eu sinto a necessidade de diminuir posses. Eu meio que fantasio com isso e fico imaginando a cena de uma possível mudança (pra outro país ou outro estado); o que eu levaria na mala?

Mesmo antes de ler o livro A Mágica da Arrumação, da Marie Kondo, eu já tinha sido picada pelo bichinho do descarte/destralhe. De tempos em tempos eu doo roupas, sapatos e livros que não me interessam mais, mas isso não tem sido suficiente.

Meu apartamento é pequeno mas descobri que o problema não é a falta de espaço. Mesmo se morasse numa mansão, se eu fosse do tipo acumuladora, teria mais e mais coisas. Mais espaço = mais objetos.

Ok, não sou esse tipo de pessoa, mas ainda assim eu acho que junto coisas demais. E, de todas essas coisas, quantas eu amo de verdade? Quantas delas me deixam realmente feliz?

Os últimos dias têm sido uma loucura. Enchi uma mala de viagem gigantesca com roupas e sapatos, esvaziei consideravelmente a minha biblioteca (só ficaram os livros que eu mais amo), digitalizei minhas fotos favoritas, piquei as originais, me desfiz de cadernos de receitas (copiei no iPad as receitas de família que mais gosto), picotei uma quantidade absurda de papel, diminuí a quantidade de louça no armário da cozinha, joguei uma porrada de cosméticos fora, doei anéis, brincos e colares, doei meus cd’s, só mantive 4 DVD’s …. E, depois disso tudo, descobri que restaram algumas roupas que eu não amava mais. Nova sacola, novas doações!

A sensação que tenho é de que me desintoxiquei. É muuuuiiito bom, eu recomendo!

Aí, depois disso tudo e de uma boa faxina, fiquei viajando e imaginando a minha casa dos sonhos. Ainda não encontrei esse lugar, ainda não sei em que cidade é, mas já sei a cara que ela tem.

menos objetos e mais sonhos 2

Essa casa …

menos objetos e mais sonhos - doce cotidiano

E esse quintal!

Uma casa pequena num terreno com um belo gramado – pro Spock e pro Fuel. A casa é clara, bem ventilada e com boa iluminação. Tem 2 quartos, um bom banheiro, uma cozinha arejada, uma sala com varanda e um cantinho onde eu possa ler e escrever. Ela pega uma boa quantidade de sol, mas não fica muito quente. A roupa seca rapidinho no varal.

Tem árvores no meu quintal, algumas são frutíferas – já vejo uma mangueira e um abacateiro. Estou pensando em colocar uma rede lá fora!

O Spock e o Fuel ficaram amigos e se fazem companhia quando não estamos em casa. Eles gostam de deitar na grama e curtir a sombra sob a árvore.

Às vezes, eu curto ficar deitada na rede só pra observar os cães brincando e os passarinhos fazendo seus ninhos e, nesses momentos, tudo o que eu sinto é paz!

E você, qual é o seu cenário de paz?