escolhas

Atualização do diário alimentar

Em setembro do ano passado eu anotei tudo o que eu comi. Fiz um diário bem atento e não deixei nada de fora. A ideia era reduzir, ao máximo, a ingestão de glúten, de açúcar e de alimentos industrializados e super processados.

Pois bem, fiz isso e minha saúde agradeceu.

Mas parei de anotar e, ao fazer isso, acho que deixei de prestar tanta atenção ao que eu consumia. Comi mais glúten e mais açúcar e, como resultado, as alergias na pele voltaram. Honestamente, não tem como eu provar essa associação de uma forma segura, mas acho que as respostas que o meu corpo me dá precisam ser levadas em consideração.

Por que será que quando anoto, eu me alimento melhor? É por não querer admitir, nem pro meu bloco de notas, que vou comer coisas que sei que me fazem mal e por isso não as como? É por que fico mais consciente? É claro que não tem como ficar anotando tudo o que eu como para o resto da vida e eu nem quero fazer isso. Mas percebi que o ato de escutar os meus desejos é o que faz a diferença, porque quando presto atenção neles posso me questionar de onde vem a vontade de fazer algo que sei que me causará mal.

O meu corpo responde tão rapidamente que, em poucos minutos, já estou com vários sintomas decorrentes das minhas escolhas. Eu começo a passar mal enquanto eu ainda estou comendo (sério, é quase tão rápido assim) e sempre achei que isso fosse um incômodo, mas hoje eu entendo como uma coisa boa, porque meu corpo está se comunicando comigo o tempo todo e eu comecei a escutar. Nem sempre eu dou o que ele precisa e pede, confesso, mas estou aprendendo.

Não vou dizer que nunca mais comerei os alimentos que meu corpo recusa, sinceramente não posso me prometer algo que não me vejo cumprindo. Mas acho que dá pra reduzir, e muito, a ingestão deles.

Com toda essa mudança alimentar aqui em casa, ficou mais fácil percebermos os sinais que nossa saúde nos dá. Acredito que exista uma inteligência no nosso corpo que independe da nossa consciência. Vou tentar me explicar.

O Ciro disse que eu o estraguei desde que começamos a morar juntos há uns quatro anos atrás. Antes ele podia comer e beber o que fosse que não sentia nada, agora, quando ingere alimentos muito gordurosos ele passa mal quase instantaneamente. Acho que o nosso corpo se acostuma com o que é mais saudável e ele pede por isso, quando o forçamos a digerir algumas “bombas” ele reclama.

Se você passar uma semana se alimentando bem, sem frituras, açúcar, alimentos processados, glúten, carnes, leite e derivados, apenas comendo de forma mais natural possível e ingerindo água em boa quantidade, notará que se sentirá mais leve, mais limpo. Não é um período prolongado, então acho que não será tão desesperador fazer esse teste. De vez em quando eu gosto de fazer isso eliminando o glúten, o açúcar e os industrializados, eu desincho que é uma beleza e as alergias somem.

Mas, sendo muito honesta aqui, não sei se um dia serei aquele tipo de pessoa que só se alimenta de forma 100% saudável, batatas fritas são irrecusáveis pra mim. Mas eu busco aquele ponto do meio, o meu equilíbrio, que é só meu e tão pessoal, assim como o seu é só seu.

O desejado é muito relativo, assim como a proporção peso x saúde, não existe uma receita única e exclusivamente correta que funcionará pra todos. Você pode experimentar e testar até descobrir o que é melhor pra você, porque o seu corpo já sabe as quantidades e os alimentos que precisa, basta aprender a ouvi-lo.

É fácil? Não necessariamente. Mas é uma escolha diária que tem me trazido vários benefícios.

A alimentação, o dinheiro e as escolhas

9lckfcavak-siamak-djamei

Já faz alguns meses que embarquei nessa mudança de hábitos, principalmente com relação à alimentação, e tem algumas coisas que percebi.

Nem sempre é possível fazer as coisas da forma exata que planejamos em nossos sonhos. Eu adoraria poder me alimentar somente de orgânicos, mas infelizmente não consigo por vários motivos.

O motivo principal que me impede de realizar esse desejo é a questão financeira, pelo menos no momento presente. Pagamos nossas compras com um cartão alimentação que o Ciro recebe no trabalho; os supermercados aceitam esses cartões, mas nem todo mercado tem uma seção de orgânicos. E, a outra parte da questão é que aqui onde moramos não está fácil achar produtos com valor acessível, a diferença de preços entre orgânicos e não orgânicos pode ser gritante.

Perto de mim tem alguns pontos de venda de alimentos orgânicos, mas na maior parte deles só consigo encontrar legumes e verduras e a variedade não é extensa. São basicamente os mesmos vegetais toda semana. O Cestão Biodinâmico facilita bastante, as feirinhas também (lá encontramos frutas), mas eles não aceitam cartão alimentação, somente dinheiro.

Eu sei que a variação de preços e do que encontrar depende muito do lugar que você mora. Sigo algumas pessoas no Instagram que sempre postam as fotos dos seus orgânicos e dos valores pagos e a diferença é absurda. Às vezes, chego a pagar três vezes mais do que eles pelo mesmo alimento.

São várias coisas que me fizeram pensar que, no momento, tenho que me adaptar da melhor forma possível. Comer alimentos saudáveis com agrotóxico ainda é melhor do que não comer nenhum. Infelizmente, a realidade é essa.

Enquanto não tivermos a nossa horta em casa, enquanto o Brasil ainda for um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo, enquanto ainda não houver produção suficiente de alimentos orgânicos, enquanto a nossa condição financeira não nos permitir gastos maiores; temos que nos virar do jeito que der.

Existem várias receitinhas na internet de como retirar o agrotóxico, essa é uma delas, mas pra quem tem reação ao iodo, acho que não é recomendável; aqui nesse site tem outras dicas. Outras fontes dizem que mesmo lavando bem e descascando e/ou retirando sementes, ainda podemos ter resquícios de veneno porque, em alguns casos, ele penetra no alimento não ficando só na casca.

É algo que eu penso, é algo que tenho receio. Tenho medo de estar me envenenando demais, mas não comer frutas, verduras e legumes, não é uma opção pra mim.

No meu cenário de mundo ideal não haveria mais agrotóxico, todo alimento que vem da terra seria de fonte segura e confiável, nenhum animal seria explorado e morto para o nosso prazer, todos teríamos nossas hortinhas em casa e trocaríamos alimentos com os vizinhos, não existiria a fome e nem as doenças causadas pela má alimentação, a quantidade de lixo que produzimos seria reduzida consideravelmente, nossas águas não seriam contaminadas e seríamos uma comunidade praticamente autossustentável. Mas, por enquanto e a nível global, esse é só um sonho.

Na minha rotina estou tentando descobrir novas possibilidades de causar um impacto menor, tanto na minha saúde quanto no planeta. Ainda não estou no patamar que eu gostaria, mas estou tentando aceitar e não me culpar por não ter chegado lá ainda.

Por enquanto, como orgânicos quando for possível e tento, na maior parte do tempo, me alimentar de forma saudável. Veja bem, eu disse na maior parte do tempo, porque também tenho meus momentos de junk food. É que, hoje em dia, o meu junk não é tão junk quanto antigamente, mas só porque fiz algumas trocas.

Como é uma mudança de estilo de vida que pretendo que seja duradoura, estou tentando tirar a culpa e a autocobrança para deixar esse processo mais leve. E, sei que quanto mais eu me desintoxicar, mais serei capaz de escutar o meu corpo e dar a ele somente o que ele precisa. Uma hora eu chego lá!

Me fazendo de vítima

sem-enxergar

“Fingimos ser frágeis e coitados para que o outro faça tudo do jeito que queremos, ou para nos eximirmos da responsabilidade de buscar a própria felicidade. Estando no papel de masoquista, nos colocamos como vítimas indefesas da maldade do outro, sem assumir responsabilidade pela nossa própria miséria.” AMAR E SER LIVRE, Sri Prem Baba

Ah, a vítima! Esse papel é tão familiar. Não é uma posição da qual eu me orgulhe, mas é algo que fez parte de mim por muito tempo e, de vez em quando, ainda faz. Esse foi o meu modo de agir, sempre esperando que os outros resolvessem as minhas questões e entregando a responsabilidade da minha vida nas mãos de terceiros.

A vítima surgia, principalmente, dentro do meu núcleo familiar. Percebo que entrei nesse papel de ser incapaz e frágil, acho que querendo ser protegida. Não sei dizer quando isso começou, mas sei que é um processo antigo. A minha rebeldia adolescente foi isso, uma maneira desesperada de buscar atenção; e eu conseguia, mesmo que fosse de forma negativa.

Entenda que, pra mim, nada disso aconteceu de forma consciente. Eu não ficava maquinando como agir e o que fazer, eu simplesmente fazia.

Depois desses anos olhando pra mim e me conhecendo um pouco mais, depois de ter iluminado algumas das minhas sombras e de ter desenterrado alguns traumas e bloqueios passados, consigo ver que a criança que eu fui tinha um sentimento muito forte de não pertencimento.

Todos nós, em algum momento da vida – e não importa se recebemos amor e se tivemos uma infância mágica – passamos por situações desafiadoras e interpretamos esses fatos de uma maneira bem individual, baseados nas nossas experiências passadas, no nosso grau de sensibilidade, nas nossas crenças, na forma como enxergamos o mundo e a nós mesmos.

Tenho quatro irmãos, fomos criados pelos mesmos pais, com as mesmas regras e hábitos (principalmente os três filhos mais velhos, grupo do qual faço parte) e somos completamente diferentes. Entendemos as coisas e acontecimentos de maneiras diversas, temos lembranças e sentimentos diferentes com relação a um mesmo acontecimento, nossos temperamentos não são iguais, nossa forma de encarar a vida também é individual. Isso, possivelmente, reflete que cada um sente as coisas de um jeito; algo que foi tranquilo pra um, pode ter sido um evento traumático pra outro.

Hoje revisito esse lugar para entender meus comportamentos atuais e me sinto um pouco mais próxima de acolher e ressignificar minhas atitudes antigas. Porque é apenas isso que posso fazer com o meu passado; olhá-lo e ressignificá-lo.

Isso não quer dizer que nunca mais viverei esse papel de vítima, não quer dizer que nunca mais cometerei erros e que tudo será diferente daqui pra frente. Eu ainda estou aprendendo e o aprendizado continua pela vida afora com ensinamentos diferentes à medida que “passamos de ano”, e é uma jornada que nunca acaba. Eu só estou um pouco mais atenta a alguns aspectos do meu comportamento, reconhecendo a minha responsabilidade em todas as minhas escolhas e suas consequências.

Às vezes, é dolorido. Nem sempre estou disposta a reconhecer certas partes como minhas.

Porque quando a vítima surge, eu quero me entregar a ela porque parece ser mais fácil seguir por esse caminho; a autorresponsabilidade me faz entrar em contato com as sombras que mantive intocadas dentro de mim e nem sempre estou pronta para abraçar os meus monstros. Às vezes, só quero voltar a ser protegida, e tenho vontade de entregar toda essa responsabilidade nas mãos de alguém e esperar que esse outro me faça feliz e supra todas as minhas necessidades. Mesmo sabendo que é impossível ser feliz assim, tem dias que só gostaria de voltar a adormecer. Porque dói, tem dias que dói muito.

Mas, com dor ou sem dor, viver na realidade ainda é muito mais interessante do que viver na ilusão criada por nossas máscaras.

Por isso, quando percebo e reconheço esse papel que interpretei por tanto tempo, aceito que fiz o que sabia fazer e que dei o melhor que tinha pra dar na época. E não é o que todos fazemos? Nós damos o que temos pra dar. E está tudo bem!

E então, ao adquirirmos mais consciência sobre nós mesmos, ao percebermos as nossas ações frente às variadas situações, ao entrarmos em contato com nossos sentimentos, com as nossas sombras e com o que mantivemos escondido, chega o momento de assumirmos a responsabilidade por nossos sentimentos, escolhas e atitudes. E, mesmo que isso pareça um pouco assustador a princípio, se entender como o único responsável por sua vida e por sua felicidade, pode ser libertador.

Sendo a minha própria cobaia

cozinha

No início de setembro, eu comecei um diário alimentar com a ideia de anotar tudo o que eu como no dia, tudo mesmo! Inicialmente, eu queria reduzir a quantidade de lactose, de glúten e de açúcar, só pra ver como meu corpo reagiria.

Desde que parei o uso da pílula anticoncepcional, há dois anos, minha pele encheu de espinhas – é como se as espinhas que tinham sumido quando iniciei o hormônio, há umas duas décadas, decidissem voltar todas de uma vez. Fiquei um tempo com espinhas até nas costas e na bunda; nada legal!

Eu queria saber o que estava me fazendo mal e o que meu corpo não estava curtindo e, como forma de me avisar, me causava espinhas e alergias. Fora outros sintomas, como inchaço e cansaço.

Mesmo antes dessa pesquisa eu já não tomava mais leite de manhã (me dava azia), já tinha parado de comer ovo (o cheiro me dava nojo) e a carne, todo tipo de carne, eu já tinha parado há um tempinho. O leite e o ovo eram consumidos disfarçadamente em bolos e pães.

Eu sabia que não era celíaca, mas, mais de uma vez, profissionais de saúde já tinham me dito para reduzir ou eliminar o consumo de glúten da minha dieta e, pesquisando sobre os possíveis sintomas decorrentes de sua ingestão, resolvi fazer esse teste em mim.

Ao iniciar esse experimento, eu não sabia que o veganismo seria o meu caminho porque, até então, eu também acreditava que precisava do leite de vaca e seus derivados como fonte de cálcio.

Eu já tinha começado a ler o livro do Dr. Eric Slywitch – Alimentação sem Carne – e estava aprendendo um pouco mais sobre os alimentos, sobre a melhor forma de prepará-los para aproveitar mais seus nutrientes e sobre as combinações mais efetivas. Mas, ainda assim, eu não sabia muito bem aonde isso tudo iria me levar.

Comecei a seguir vários perfis no Instagram; de veganos, de pessoas com alimentação exclusiva plant based (dieta baseada em vegetais e alimentos integrais na sua forma mais natural, completa, não refinada, e minimamente processada), de veganos que não consomem glúten e, meio sem perceber, fui lindamente “contaminada” pela vontade de mudar.

Nesse espaço de tempo, desde que iniciei essa autopesquisa mais seriamente, notei duas mudanças principais:

  • Minha pele melhorou muito. Eu tirei fotos do rosto no início, no meio do processo e no “fim”, para comparar. Algumas espinhas super inchadas e vermelhas com as quais eu convivi por meses e não saíam mesmo com todo tipo de tratamento externo, diminuíram visivelmente.

pele

  • Meu corpo desinchou absurdamente, principalmente a região abdominal (também tirei fotografias antes de ir pra Piracanga, quando voltei de lá, no início desse experimento e recentemente). O importante não era a perda de peso, mas sim, como eu me sentiria.

Agora, vamos a algumas observações. Como eu anotava tudo o que comia, ficou um pouco mais fácil perceber a correlação entre o alimento ingerido e determinados sintomas.

Não consegui excluir o glúten completamente e notei que, quando o consumia por alguns dias seguidos, mesmo que em pequenas porções, as coceiras voltavam e eu ficava mais inchada.

Quando comi batatas fritas, o que aconteceu mais de uma vez (é meu fraco, comeria todos os dias), ou quando comi frituras em geral, me senti mal depois, como se tivesse ingerido um galão de óleo. E isso aconteceu em todas as vezes depois que comi!

O açúcar, mesmo ingerindo somente o demerara ou o mascavo e muito raramente, não se mostrou o melhor dos meus amigos. Também não me senti bem após a ingestão dele quando combinado com algum tipo de gordura, como em sorvetes – mesmo em opções veganas.

Entendi que o veganismo – na alimentação – é mais do que não comer nada de origem animal. É mais do que respeitar os animais e o planeta; é se respeitar em primeiro lugar.

Por isso, após esse período de quase dois meses de experimentação, entendi que, pra mim, quanto mais naturalmente eu me alimentar, melhor! Vou continuar observando a mim e as minhas escolhas, mudar mais algumas coisas na minha forma de me alimentar e, então, eu volto pra contar como foi.

Uma última coisa! Eu não quis postar as fotos do meu corpo por um simples motivo; cada um tem a sua forma física e seu peso ideal, magreza não é sinônimo de saúde e eu não quero fazer apologia a isso. O ser/estar magra é uma característica física minha, eu nasci assim e isso não é o que importa aqui. O importante é estar saudável, independente do seu peso na balança. É fazermos escolhas que nos façam sentir bem, alegres e dispostos.

Viver é um direito de todos

Viver é um direito de todos - Toda vida merece respeito - Toda vida é uma vidaTODA VIDA MERECE RESPEITO.

Quero falar um pouco sobre as mudanças que estou vivendo e o que me levou a essa escolha.

Eu cresci em uma família com churrascos aos fim de semana. Quase todos os finais de semana que estávamos no Camping do Jordão, em São Roque, entre familiares e amigos, rolava um churrasco no terraço do chalé 5. E, por mais frequente que isso fosse, por mais abundância de picanha que houvesse, eu confesso que nunca gostei do sabor, rolava até um nojinho da picanha, então eu não comia.

Quando íamos em rodízios de carne, eu me entupia de banana à milanesa – já cheguei a comer 8 em um só dia. As vezes que eu comia carne sem me importar com o gosto era: no lanche, no bife cheio de molho por cima ou cheio de cebola, quando a carne moída estava cheia de cenoura ou outro legume. Só recentemente me dei conta de que precisava disfarçar o gosto da carne com temperos variados. O que leva a uma conclusão muito simples e óbvia, eu nunca gostei do gosto da carne.

O frango eu comia bem temperado, a linguiça não me desagradava e já comi costelinhas várias vezes no Outback. Mas, acho que as coisas começaram mesmo a mudar no ano passado.

Há um tempo atrás eu tentei aderir ao vegetarianismo. Muitas vezes, na hora do almoço, eu ia num vegetariano perto do trabalho e sempre saía me sentindo leve e satisfeita. Parei de preparar carne em casa – já era algo raro, mesmo antigamente eu nunca gostei de preparar porque não suportava o cheiro de sangue -, quase não comia carne fora, exceto em lanches. Apesar de saber da crueldade envolvida na Agropecuária e na Indústria Leiteira, eu preferia não olhar, não ler, não assistir vídeos … eu fingia que não era comigo e continuava comendo carnes esporadicamente.

Outubro de 2015, estávamos em Santiago e fomos num restaurante que o Ciro ama, o Liguria; eu pedi uma massa com espinafre e ele pediu uma costelinha. Não sei dizer o que aconteceu comigo naquele dia mas, quando provei uma garfada da carne, senti nojo, o gosto me desagradou e eu não entendi. Foi a última vez que comi carne de porco.

Então, depois disso, cada vez que passávamos de carro por alguma fazenda e eu via as vacas e os bezerros eu me emocionava e sentia vontade de abraçá-los do mesmo jeito que abraço cachorros. O cheiro da carne de frango começou a me incomodar e nunca mais comi, o leite começou a me dar azia e não tomava mais no café da manhã e, aos poucos, as coisas que eu sentia foram fazendo sentido pra mim.

Viver é um direito de todos - Toda vida merece respeito - Toda vida é uma vidaTODA VIDA É UMA VIDA.

Piracanga também teve seu papel nessa história, aliás, um papel importantíssimo ao me apresentar a filosofia vegana. A sementinha da mudança que já morava em mim começou a germinar e me vi repensando todo o meu viver e as escolhas que eu havia feito até então. Que tipo que vida eu queria pra mim? Como cuidar melhor da minha saúde? Como causar menos impacto no meio ambiente? Descobri que uma das respostas era meio óbvia: eu precisava me alimentar de vida, não de morte.

Então, tirei o consumo de leite e derivados do meu cardápio e me deparei com a imensidão de substituições possíveis, e ainda estou aprendendo e sei que ainda há muito a descobrir.

Meu olfato me ajudou e me vi odiando o cheiro de ovo. Ficou fácil deixar de consumir!

Resolvi investigar minhas roupas e calçados a procura de itens de origem animal e fiz o mesmo com meus cosméticos e com os produtos de limpeza. Ainda estou pesquisando quais são as empresas que utilizam produtos de origem animal em suas fórmulas e quais testam em animais.

Sei que é algo que, inicialmente, requer tempo de pesquisa, disposição pra sair da zona de conforto e mudança de velhos hábitos. Ainda estou engatinhando nesse novo mundo, mas tenho certeza de que vale a pena. Tenho um longo caminho pela frente e muitas coisas para aprender, mas estou me divertindo no processo.

Vivendo o que eu acredito

vivendo o que eu acredito - doce cotidiano

Nesse período de autoconhecimento incorporei novos hábitos à minha vida. Fiz algumas trocas, experimentei o diferente, testei receitas, desafiei o paladar. Depois de Piracanga, principalmente, senti que precisava viver o que fazia sentido pra mim.

Começamos com pequenas coisas, principalmente o que fosse um pouco mais acessível, sem mudanças bruscas demais (tudo o que é feito radicalmente acaba não se sustentando pra mim). A separação dos recicláveis já fazíamos há um tempo em casa, mas ainda me incomoda ver a quantidade de lixo que produzimos.

Mudamos a pasta de dente, o sabonete e o enxaguante bucal. Agora usamos produtos que não agridem nem nosso corpo, nem os animais e nem o planeta. Claro que esses produtos são um pouco mais caros do que as marcas comuns encontradas no supermercado (pelo menos por enquanto), mas aí coloco os prós e contras na balança. Lembrando também que, se tiver disposição e interesse verdadeiro, posso aprender a fazer meus próprios produtos. Essa ideia realmente me agrada.

Já consegui fazer isso com o desodorante. Peguei uma receitinha no Instagram da linda Alana do The Veggie Voice, com óleo de coco e bicarbonato de sódio. Coloquei umas gotinhas de óleo essencial de lavanda e ficou incrível. Achei muito bom, gostei do resultado. Então, minha professora de Pilates falou sobre o leite de Magnésia e resolvi testar (e só depois que já estava usando há um mês vi essa receita dada pela Bela Gil). Numa embalagem roll-on de um antigo desodorante coloquei o leite de Magnésia e as gotinhas de óleo essencial de lavanda (pode ser outro óleo essencial de sua preferência, é que eu e a lavanda temos um caso de amor antigo). Eu e o Ciro acabamos com o primeiro potinho e já refiz.

Inicialmente, senti que a axila passou por um período de adaptação, parece que estava se desintoxicando dos antigos desodorantes antitranspirantes que eu usava. Sabe aqueles desodorantes que te deixam com a sensação de que tem uma camada de cola na pele? Eu odiava aquilo. É claro que agora eu transpiro (afinal, esse é um processo normal do nosso corpo), mas não acho que é nada excessivo e nem fico fedendo. O importante é que me sinto bem, com a pele respirando, sem um monte de químicos prejudicando minha saúde.

Ainda tenho alguns hidratantes antigos em casa, mas dou preferência para os óleos naturais e cremes de marcas veganas. Os óleos da linha da Sacerdotisa são incríveis (aliás, ela também faz um desodorante muito bom). Também tenho um óleo corporal da PachaMama que adoro. Existem vários opções pra quem quer seguir essa linha. São super cheirosos, não agridem a pele, nem os animais e nem o meio ambiente e me fazem sentir uma conexão maior com a natureza. E isso é muito importante pra mim.

Para aqueles produtos que ainda não consegui encontrar uma versão mais ecológica, tento selecionar aquelas marcas que não testam em animais (aliás, acho que já está mais do que na hora de pararem com esses testes. Sério!). Sinto que esse será um caminho natural no futuro, pra todos nós. Já está ficando claro que não tem mais como vivermos dessa forma, desconectados da natureza, maltratando os animais, envenenando nossos corpos com tanta química. Estamos ficando doentes, estamos matando nosso planeta. A mudança é um caminho inevitável, é uma questão de sobrevivência.

Aqui eu estou falando do que é importante e faz sentido pra mim. Meu coração está me levando por esse caminho e achei que já estava mais do que na hora de viver o que eu acredito.

O bolo, o traçado, o calçado e um corpo saudável

O bolo, o traçado, o calçado e um corpo saudável - doce cotidiano

Outro dia fui fazer um bolo, adoro fazer bolos caseiros e adoro mais ainda comê-los. Na descrição da receita mandava aquecer o forno a 180º C e isso não seria um problema se meu fogão não fosse bem velhinho e se a temperatura do forno se mantivesse nos 180º. Toda vez que tento abaixar o fogo, o forno apaga. Já testei inúmeras vezes mas o forno não se mantém aceso. Resultado, tenho que assar o bolo a 200º, no mínimo. Para algumas receitas isso não influencia tanto no resultado final, já para outras, a qualidade do bolo deixa a desejar.

Na época do ensino médio tinha uma disciplina chamada Desenho de Arquitetura – fiz colégio técnico em Edificações no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo -, e tínhamos que fazer projetos no papel vegetal com caneta nanquim. Foi uma fase um pouco traumática pra mim porque eu nunca tinha tirado uma nota baixa na vida e comecei a tirar várias nessa matéria. Meu traçado nunca ficava bom. Me senti realmente incompetente até o meu professor me chamar na mesa dele pra conversar; acho que ele também estava cansado de me dar tantas notas vermelhas. Ele me perguntou quais eram as minhas canetas nanquim, então mostrei a ele e disse que tinham sido da minha irmã, elas estavam com a ponta um pouco estragadas e no mesmo momento ele me disse que eu precisava de um novo estojo. Naquela semana minha mãe comprou pra mim e eu nunca mais tirei notas abaixo da média naquela disciplina.

Há uns anos atrás eu peguei um busão para ir até a cidade dos meus pais e resolvi ir a pé da rodoviária até a casa deles – na época era um inferno conseguir um ônibus que fosse até lá e os táxis eram muito caros; o trajeto leva quase uma hora de caminhada mas eu adoro porque a vista do parque ecológico é linda demais. Eu estava usando o tão controverso Crocs (alguns odeiam, outros adoram, outros usam envergonhadamente porque são feios demais … eu acho feio mas confortável e, naquele momento, estava pouco me importando com a opinião alheia) e não pensei que seria um problema caminhar por tanto tempo com eles na pista de caminhada do parque que, naquela época, era coberta com areia. Pouquíssimos quilômetros depois meu pé estava esfolado, machucado, ardendo e quase sangrando. Se eu tivesse usado um tênis, isso não teria acontecido.

O que essas três histórias têm em comum?

Não importa se eu sou a melhor chefe de cozinha do mundo e meus bolos são divinos, não importa se tenho uma mão firme e meus traçados são sempre uniformes e perfeitos, não importa se tenho uma disposição do caralho e consigo andar quilômetros e quilômetros sem me cansar, se o material que eu usar não estiver funcionando direito ou não for apropriado – meu forno, minhas canetas, meu calçado, ou o que for -, o resultado final não ficará bom.

Eu, que gosto de analisar tudo, comparar e dissecar acontecimentos, fiquei pensando na relação dessas histórias com a saúde física e mental, com os relacionamentos, com a saúde financeira … e por aí vai.

E, percebi que o que importa não é só a minha intenção e boa vontade, preciso também de ferramentas que me permitam alcançar meus objetivos satisfatoriamente, e acho que onde mais senti esse impacto foi na minha alimentação. Como eu esperava estar saudável se ingeria tanto “veneno”?

Da mesma forma que preciso de um forno funcionando para assar meus bolos, de boas canetas para um traçado preciso, de um calçado adequado para cada tipo de caminhada; preciso de alimentos saudáveis diariamente, porque meu corpo não foi feito para suportar, por tanto tempo e sem adoecer, a ingestão de tanto lixo.