About Silvia

Posts by Silvia:

Quando quero mudar o mundo

Quando quero mudar o mundo - doce cotidiano

Por muito tempo, talvez por arrogância ou inocência, achei que poderia mudar o mundo. E, por não ser bem sucedida nessa empreitada, me senti fracassada, desanimada, desesperançosa.

Uma mudança de foco já teria sido suficiente pra amenizar esse peso da busca pelo impossível. Porque, na verdade, eu posso sim ajudar a mudar o mundo, e eu faço isso quando eu mudo a mim.

Mudar a si mesmo já é algo bem difícil; requer vontade, paciência e autocompaixão. Tentar mudar o outro, não só é impossível como gerará frustração, além de ser algo bem egoísta. Nessa tentativa fica subentendido que eu sei o que é melhor, que eu sei o que é certo, que a minha visão de mundo é a correta e que o outro deve viver de acordo com as minhas regras e verdades.

E por que eu estou escrevendo sobre isso? Porque eu sou essa pessoa que se acha dona da razão e da verdade, porque eu sou a pessoa que quer convencer os outros do que é certo, porque eu sou a “cagadora de regras”. Hipocrisia total, certo? Porque eu mesma vivo mudando de ideias, meus conceitos de certo e errado já mudaram muito com o tempo e acho que mudarão ainda mais enquanto eu viver. Se, na maior parte do tempo, eu não sei o que é realmente bom pra mim, se ainda estou aprendendo a me conhecer, se não sei quais são os meus limites e quais devo ultrapassar, como posso querer saber o que é melhor para o outro e como posso ditar o jeito que ele deveria agir?

Eu, que sempre me achei tão flexível e aberta, reconheci uma rigidez em mim que eu não sabia que existia. Mas, beleza, vivendo e aprendendo. Dizem que o primeiro passo para a mudança é reconhecer que você é/tem aquilo que você quer mudar. Reconheço minha rigidez, minha arrogância e prepotência, aceito que essas características fizeram parte de mim por um bom tempo e tiveram sua serventia, entendo que ainda tenho um caminho pela frente e que essa jornada nunca acaba e agradeço por, finalmente, ter aberto meus olhos para enxergar isso em mim.

Aprendi que a minha contribuição para um mundo melhor vem por meio da minha mudança interna, afinal, a gente só consegue dar aquilo que a gente tem. Como disse Sri Prem Baba:

”Muitos querem contribuir para a paz da Terra, mas não sabem como encontrar a paz dentro da própria família. Então, enquanto não há o que oferecer, não caia na armadilha de querer salvar o mundo, trate de salvar a si mesmo. Trate de olhar para a injustiça que te habita. Olhe para a violência, para o desrespeito e para a dor que te habitam. Esse é o primeiro e mais importante passo para iluminar este mundo.”

Alguns livros dessa jornada

Minha casa sempre foi repleta de livros, de todos os tipos, graças à minha mãe. Eu ganhei meu primeiro conto de fadas aos três anos de idade – ainda tenho esse livro – e, desde que aprendi a ler, meu universo ganhou mais cor e mais vida com a paixão pela leitura.

Eu amava quando éramos obrigadas a ler os livros pedidos na escola. Minha mãe mal comprava e eu já os devorava, como uma esfomeada, numa gana por viajar naquelas páginas e descobrir novos mundos e sentimentos. A literatura sempre foi meu grande prazer e é assim até hoje.

Já deixei de comer simplesmente porque estava tão absorta lendo que eu me esquecia de almoçar ou jantar. Não existe outra coisa no mundo que prenda minha atenção e meus sentidos dessa forma tão intensa, não como um bom livro.

Além de um bom romance, livros policiais, suspense e ficção científica, também curto muito estudar através da leitura. Tenho mais facilidade em absorver uma informação quando a leio do que quando a escuto.

Hoje quero compartilhar seis livros que tiveram, e ainda tem, um papel muito importante nessa minha viagem do autoconhecimento.

AME A REALIDADE, da Byron Katie

ESCOLHA SUA VIDA, da Paula Abreu

LIMITE ZERO, Joe Vitale e Ihaleakala Hew Len, PhD (Sobre Ho’oponopono)

AMAR E SER LIVRE, Sri Prem Baba

COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA, Marshall B. Rosenberg

O PODER DO AGORA, Eckhart Tolle

Eu já tive bastante preconceito com os livros considerados de autoajuda, tinha até vergonha de comprá-los em livrarias físicas porque não queria que me vissem como “fracassada” ou desesperada. Uma baita babaquice, eu sei.

Hoje enxergo esses livros de uma outra forma, porque eu vejo esses autores como seres humanos que também passaram por dificuldades, que também estão em busca de si mesmos, que descobriram uma forma diferente de lidar com suas questões e resolveram compartilhar suas jornadas e descobertas através da escrita.

Seja como um instrumento de aprendizado ou como lazer, a leitura é sempre um excelente hábito. Recomendo!

Ah, aceito dicas de livros.

O suicídio, o escrever e a permanência

O suicídio, o escrever e a permanência - doce cotidiano

Quando eu era adolescente, pensar em suicídio era algo recorrente. Eu me odiava tanto que eu não queria mais ser eu. Eu não me sentia pertencendo a esse corpo, a essa família e a essa vida. Mas, por mais vontade que eu tivesse de deixar de existir, duas coisas me ajudaram a continuar aqui.

A primeira foi porque eu não queria “repetir o ano”. A crença no espiritismo, na época, me fez desistir de me matar porque eu não queria sofrer no pós-morte, eu não queria voltar para aprender as mesmas lições que não tinha aprendido, eu só queria que o sofrimento acabasse.

A segunda, e mais importante, foi a escrita. Quando eu escrevia poesias meio sombrias eu me suicidava inúmeras vezes e, ao me matar no papel, a vontade de sumir diminuía um pouquinho.

Hoje, quando eu me recordo dessa fase e de todos os sentimentos que a envolveram, penso nos questionamentos que eu me fazia. Por que meu eu adolescente se odiava tanto? De onde vinha tanta culpa? Por que eu não me achava merecedora de amor? Nenhuma resposta que me dei, na época, pareceu ser satisfatória.

Eu tenho uma ideia do que estava por trás dos meus sentimentos, mas ainda não estou pronta para falar sobre isso publicamente porque existem algumas caixinhas internas que eu não abri, outras eu abri mas não quis olhar o conteúdo, e as que abri e olhei estou tentando me dar um tempo pra lidar com as coisas que consigo, uma de cada vez.

Depois de tanto tempo me dedicando ao autoconhecimento, os sentimentos daquela fase da minha vida mudaram, por isso ainda estou aqui. Mas, percebo que não foi bem uma mudança de sentimento, acredito que tenha sido uma nova maneira de enxergá-los.

Coisas que eram imensas há duas décadas atrás, hoje parecem pequenas. E acho que costuma ser assim, né? Certas questões perderam o peso depois que aprendi a lidar com elas, outras questões surgiram pedindo atenção e começou tudo outra vez, mas com um pouco mais de facilidade para lidar com meus monstros.

O suicídio deixou de ser um desejo há muito tempo e nunca mais voltou a me assombrar, nem nos piores momentos. Mas por um bom tempo foi um pedido de ajuda silencioso, porque eu não expressava essa vontade pra ninguém, não de forma clara, pelo menos. Não sei se alguém conseguia imaginar o que eu sentia e pensava, porque apesar da minha escrita reveladora, eu tinha muitos amigos e estava sempre sorrindo na escola. Já em casa, a situação era outra.

Felizmente, com o passar do tempo, adquiri muitas “ferramentas” que me ajudaram a lidar com tudo aquilo que me desestabilizava, com os sentimentos que me oprimiam e com as situações que me abalavam. Mas, e se não tivesse sido assim? E se eu não amasse a escrita? E se, na época, eu não acreditasse em umbral e reencarnação? Gosto de pensar que eu teria arranjado outros meios e outras desculpas para permanecer aqui.

Fui dormir com essa lembrança na cabeça, peguei o celular e anotei no meu bloco de notas para não esquecer. Não me recordo do que trouxe esse assunto à tona, mas não consegui parar de pensar nisso e, automaticamente, inúmeras questões se formaram em minha mente.

Quantas pessoas não gostam de si mesmas? Quantas se perguntam se vale a pena viver? Quantas estão procurando um meio de tirar a própria vida?

De onde vem o sentimento de não pertencimento e inadequação? De onde vem a falta de amor próprio? De onde vem a vontade que gera a ação? Porque existe um vão entre a vontade de se matar e o ato em si. O que constrói essa ponte e o que nos faz atravessá-la?

É algo espiritual? É algo emocional? É alguma reação química que acontece no nosso cérebro? O que nos faz “puxar o gatilho”?

Quantos pedidos de ajuda silenciosos nós não escutamos? Quantos sinais não percebemos? Quem tira a própria vida realmente quer morrer ou só quer parar de sentir/viver algo?

Eu só posso falar por mim. O que eu queria de verdade era parar de sentir o que eu sentia com tanta intensidade; acho que nunca quis morrer realmente, porque provavelmente eu teria arranjado um meio para isso. Sentir sempre foi algo bem difícil pra mim, difícil e exaustivo. Muitas vezes, ainda é. Por isso tenho meus períodos de introspecção e recolhimento como um meio de recarregar as baterias, que é quando eu me preparo para uma nova rodada de sentimentos intensos .

Ainda estou aprendendo a lidar comigo e com o meu lado mais sombrio e, às vezes, parece que esse é um aprendizado eterno. Mas, felizmente, existe a escrita. Escrever sempre foi meu melhor exercício, meu exorcismo, minha redenção, foi o que me manteve viva.

E você? Tem algo que seja a sua válvula de escape? Tem algo que te faça permanecer?

Primeiro desafio de 2017

E então que, no finzinho de 2016, o Fuel ficou bem doente de uma hora pra outra. Fomos buscá-lo na minha sogra e o trouxemos para Campinas numa clínica veterinária que tem até UTI.

Fizeram alguns exames, também ultrassom, precisou de soro subcutâneo, vários medicamentos e, como perdeu sangue vivo e a contagem de plaquetas estava baixa, acharam melhor interná-lo. Foram duas noites no hospital, pudemos visitá-lo no sábado e o buscamos no domingo.

Na primeira madrugada de internação, acordei às 3 horas e não conseguia mais dormir, tinha receio que fossem ligar com uma má notícia. E eu sei que ficar acordada não impediria nada, não resolveria o problema, não o curaria de todos os males. Mas, eu não conseguia dormir. Sei que minha cabeça não ajuda, que me preocupo demais e antecipo um sofrimento que pode nem vir a chegar. Enquanto eu fico com o estômago apertado, mil pensamentos habitam a minha mente, descontroladamente.

Quando eu saio do momento presente e viajo para um futuro que só existe na minha imaginação fértil e dramática, eu sofro.

META PARA 2017 E PARA A VIDA: NÃO SOFRER PELO QUE NÃO EXISTE.

Mas agora, felizmente, ele já parece estar fora de perigo, será medicado em casa por mais trinta dias e fará exames de sangue semanais. Logo mais o levaremos de volta para minha sogra, lá ele tem espaço e uma companheirinha canina que está sentindo a falta dele.

O que me fez escrever sobre esses acontecimentos foi porque isso tudo me fez enxergar meus medos por uma outra perspectiva. Sempre pensei que meus medos me paralisassem e, até certo ponto, é isso mesmo. Dependendo da situação, não consigo agir. Mas, nem tudo o que me assusta me imobiliza.

Não vou dizer que quando vi aquele sangue todo não senti nada, pra ser honesta, eu senti enjoo. E não foi de nojo, foi o medo de perdê-lo. Mas, dessa vez, consegui fazer o que precisava ser feito, com o estômago embrulhado, com medo de sofrer por uma futura (talvez, possível) perda, mas não recuei nem paralisei.

E aí fiquei pensando, qual a diferença entre o medo que me faz recuar e o medo que me impele adiante? É a motivação por trás que os distingue? Quando envolve uma outra pessoa a minha tendência é agir? Não sei. Não sei mesmo.

Só sei que, nesse momento enquanto escrevo, ele está deitado no chão ao meu lado, dormindo. Então, me deito ao lado dele e ficamos assim, nesse aconchego que poderia durar horas sem que qualquer um de nós dois se cansasse; ele que adora um carinho, e eu que não me canso de acarinhá-lo.

Desempregada ou dona de casa?

desempregada ou dona de casa? - doce cotidiano

Outra semana, durante um depoimento, eu tive que responder algumas questões sobre mim; nome, data de nascimento, escolaridade, endereço, profissão e outros dados pessoais. Na hora de responder sobre a profissão eu disse “desempregada no momento”, mas logo que eu disse isso, senti um baita desconforto.

Eu estou desempregada? Eu me considero desempregada mesmo sem estar procurando um emprego? Eu deveria ter respondido “dona de casa” ou “do lar”? Qual é a minha situação?

A realidade do momento é que meu namorado paga as contas e eu cuido da casa. Não existe problema algum nesse arranjo se isso é um acordo do casal – e esse é o nosso caso. Então, por que me sinto incomodada quando tenho que falar para terceiros sobre a minha condição profissional?

Por que me importo, ainda, com o que os outros pensam sobre a minha vida? Que parte minha julga essa situação como inadequada? Por que me sinto menos por não estar contribuindo financeiramente em casa? Essa é uma questão tão minha! Não existe nada no meu relacionamento que me faça sentir mal sobre isso. O Ciro não me pressiona para que eu volte a trabalhar, ele não me cobra nada e sempre me apoia. Eu não tenho nada a reclamar, sério. Então, por que me sinto assim?

A todo momento que encontro algum conhecido, logo depois que me perguntam se estou bem, vem a pergunta seguinte: com o que você está trabalhando, o que você está fazendo da vida? Bom, eu estou vivendo. Mas, isso não parece ser o suficiente pra mim. Porque, em algum ponto da nossa história, nos definimos e nos descrevemos pelo o que fazemos e não por quem somos. Já reparou nisso? Uma das primeiras coisas que as pessoas falam sobre si mesmas é a profissão. “Olá, sou Fulano, advogado”, “bom dia, me chamo Sicrana, sou empresária”. Mas, a sua profissão não é quem você é. Você não É advogado, você ESTÁ advogado. Mas, a gente mistura tudo, talvez por não saber de verdade quem somos. Sei lá. Só posso falar por mim.

O que percebi é que ainda existem algumas questões e bloqueios internos a serem trabalhados nessa área da minha vida. Eu quero voltar a ganhar dinheiro por uma infinidade de razões e eu sei que isso vai acontecer mais cedo ou mais tarde, mas ainda coloco muita pressão em mim. Parece que certos comportamentos requerem um pouco mais de tempo para mudar, ainda mais quando fizeram parte da minha vida por tanto tempo, como a autocobrança e a autodepreciação.

Entendo que, mais do que não querer me definir por uma palavra relacionada a alguma profissão, o meu ponto de incômodo aqui é o DINHEIRO, mais precisamente o fato de não estar ganhando nenhum. E isso tem a ver com a minha dificuldade de receber, com o fato de me sentir menos por estar dependendo financeiramente de alguém, mesmo que esse alguém seja meu parceiro.

Eu poderia pensar que voltar a ganhar dinheiro seria a solução para esse “problema”, mas sei que o buraco é mais fundo, porque na época que eu trabalhava já me sentia NÃO merecedora, essa dificuldade ainda é uma questão que necessita de aceitação e acolhimento. E, apesar do desconforto em falar desse assunto, sou grata por poder viver essa experiência que me faz lidar com questões que me desafiam e me ensinam diariamente.

Ainda estou aprendendo a conhecer quem eu sou enquanto tento me desvencilhar de ideias preconcebidas sobre quem eu deveria ser.

A zona de conforto desconfortável

A zona de conforto desconfortável - doce cotidiano

Estou com mania de adiar. “Isso pode esperar pra quando eu voltar de viagem”, “é besteira resolver isso agora, o ano está quase acabando”, “ano que vem eu faço isso”. Vivo como se essa marcação de tempo realmente fosse importante, como se isso significasse algo. As datas são mera convenção, não é verdade?

Percebo que estou evitando sair da minha zona de conforto. Mesmo que esse “conforto” não esteja me fazendo tão bem, mesmo que eu saiba que está na hora de mudanças, eu adio. Por medo? Não sei, tenho tendência a me acomodar.

Já faz um bom tempo que eu e o Ciro falamos sobre mudar, sair do micro apartamento onde moramos e ir para uma casa. Mais espaço, quintal, um pouco de verde. Vira e mexe, entro em sites para procurar imóveis para locação, em Campinas e em Indaiatuba, pesquiso valores, separo vários links, visitamos várias casas e só.

No começo do ano, enquanto eu viajava, o Ciro encontrou a casa perfeita pra nós, do jeitinho que queríamos e num valor que poderíamos pagar. E eu surtei. Dei pra trás, desisti, amarelei … existem várias palavras para descrever o meu medo de sair do conhecido. E eu faço isso numa frequência maior do que gostaria de admitir.

Óbvio que não foi de todo ruim ficarmos no nosso antigo apê esse ano, facilitou a vida do Ciro já que ele trabalha perto de casa. Mas, percebo que estamos há tempo demais nesse conforto desconfortável.

Não temos espaço, pra nada. Só temos um banheiro e ele é minúsculo, nossa cozinha é tão pequena que preciso fazer malabarismos pra cozinhar e vivo me batendo nos móveis, a máquina de lavar fica quase encostada no fogão e isso me irrita, mal tenho espaço para chegar ao tanque, nossa sala e nosso quarto ficam atravancados de coisas, e por ser um espaço pequeno cheio de móveis, é difícil de limpar.

Foram muitos anos nesse apartamento, quase 5 anos sozinha e 4 anos e meio com o Ciro. Acho que já deu! Sinto que está na hora de mudar. Assim como acontece com as pessoas, cada lugar só dá o que tem pra dar, e esse apê cumpriu bem a sua função.

O que me pega de verdade não é o ato da mudança em si, com as caixas, o transporte e a organização; o que me dá um friozinho na barriga é a antecipação da preocupação com algo que não tenho como prever ou controlar. Fuel e Spock! Um cachorro que mora na minha sogra e o outro que mora nos meus pais. Tenho medo que eles não se deem bem, tenho medo de não saber como agir, tenho medo do desconhecido dessa futura relação.

Eu sei que estou perdendo tempo e energia pensando nisso, porque só saberei o que fazer quando algo acontecer e se acontecer. Essa masturbação mental ainda faz parte de mim e, mesmo com EFT ou com toda a racionalização possível, permito que esses pensamentos me assombrem.

Mas, ainda que eu crie situações para me manter onde estou, sinto que é hora de ir, mesmo com medo.

Sobre ser/estar inteira

Sobre ser/estar inteira - doce cotidiano

Mesmo quando estou despedaçada, partida, quebrada, ainda posso ser inteira. Pra mim, ser inteira é reconhecer e aceitar todas as partes como minhas, as boas e as não tão boas.

Sabe, tem dias que eu não tenho nada pra dar. Absolutamente nada. Nem um sorriso. Esses dias já não são tão frequentes, mas eles existem. Pode até ser que eu me sinta diferente no decorrer das horas, pode ser que as emoções que me prendem e a quem eu me prendo, se dispersem. Acontece. Mas tento não contar com isso!

Estou aprendendo a não brigar mais com meus sentimentos. Estou aprendendo a acolher. É claro que nem sempre é fácil, ninguém disse que é. Mas, consegui fazer isso há algumas semanas e a sensação foi tão boa, mas tão boa, que eu quis escrever.

Acordei me sentindo triste e angustiada e passei o dia com um nó na garganta. De início, tentei recordar se havia algo novo acontecendo em minha vida que pudesse contribuir com essa sensação; não, não havia. Massageei um pouco meu peito, pousei as duas mãos sobre ele e lá as deixei. Fiquei assim, quieta comigo, me dando um pouco de carinho e atenção.

A tristeza não foi embora, entendi que ela ainda precisava ficar ali.

Fiz EFT, chorei. Chorei muito. Mesmo sem saber o porquê das lágrimas, mesmo sem entender o que estava acontecendo comigo, deixei o sentimento livre.

Acho que foi a primeira vez que não fiquei brigando com o que eu sentia. Não tentei ignorar, não tentei expulsar e, depois de um tempo, não tentei entender. Só fiquei ali, com todas aquelas sensações que pediam pelo meu acolhimento.
Deitei um pouco na rede e me abracei. Embalei lentamente nós duas, eu e minha tristeza. E lá ficamos por um tempo olhando o céu e observando o voo dos urubus – que é uma das coisas mais lindas de se ver, em minha opinião -, curtindo o fim da tarde que se aproximava.

Depois, o Ciro me levou ao parque, nos sentamos num banco embaixo das árvores e em frente ao lago. Ficamos um tempo observando os passarinhos, as capivaras e os patos. E ali, em meio à natureza, que é onde sempre me sinto conectada comigo, chegou a paz.

E aquela paz cresceu até ocupar tantos espaços dentro de mim que a tristeza foi embora. Eu não pedi para ela ir, ela simplesmente foi. Talvez, por ter se sentido acolhida e escutada, ela não precisava mais estar ali implorando por atenção.

Não sei se conseguirei fazer isso sempre, mas estou aprendendo a não brigar com o que eu sinto. Quando a raiva, a tristeza, a angústia e o medo chegam, eu imagino que é a minha criança interior que está inundada por todos esses sentimentos, assim fica mais fácil escutá-los e dar amor.

Quando acolho essa criança que faz parte de quem eu fui e de quem eu sou, reconheço todos os sentimentos que me invadem como uma parte de mim, os bons e os não tão bons. E isso me faz sentir inteira.

Uma carta e uma década depois

zai26hwyrpy-giulia-bertelli

Em fevereiro de 2006 eu escrevi uma carta pra mim para ser aberta um tempo depois, mas me esqueci. Dia 5 de maio de 2010 eu a encontrei enquanto arrumava as minhas coisas. Eu digitei seu conteúdo e joguei o papel fora.

Essa semana, xeretando o HD externo que nunca uso, eu encontrei o arquivo.

Compartilho com vocês, na íntegra, sem exclusões.

Indaiatuba, 14 de fevereiro de 2006

Eu poderia começar de tantas formas, mas nunca sei como começar.
Tem tantas coisas que eu gostaria que você soubesse sobre mim, aqueles segredos que eu não revelo nem pra mim mesma. As coisas mais absurdas que já fiz, as insanidades que já pensei. Mas tenho medo. Medo de ser julgada, julgada e condenada. Mas, na verdade, eu sou o meu maior carrasco.
Eu não me permito errar, não me permito falhar e, muitas vezes, não me permito sentir.
Tudo em mim é tão intenso que me assusta, por isso me escondo na proteção, por isso me fecho pra mim mesma.
Não consigo nem responder o que eu quero fazer da minha vida.
Faço planos na irrealidade porque a realidade da vida me assombra.
É isso mesmo? Às vezes a vida parece uma estranha brincadeira.
Estudamos, aprendemos coisas novas a todo momento, crescemos, trabalhamos, nos relacionamos, férias de vez em quando, um passeio, algumas discussões, fazemos as pazes, conhecemos gente nova, nos apaixonamos, nos enganamos, comemos, dormimos, cagamos, peidamos, tomamos banho, conversamos, fazemos compras, nos decepcionamos, choramos, rimos, criamos, desejamos, esperamos… A vida é isso? Mas qual o sentido de tudo? Às vezes me parece tão banal, tão sem propósito.
A rotina me mata a cada dia, mas eu preciso dela, necessito de uma certa segurança e estabilidade, mesmo sabendo que não são reais, que tudo não passa de ilusão.
É tudo uma experiência? Mas quais são os resultados esperados?
Tenho medo de estar vivendo em vão. A minha vida parece tão sem propósito, sem importância.
Tudo bem, para as pessoas que me amam eu tenho importância. Mas que diferença isso faz no mundo? Parece uma vida tão descartável que qualquer um poderia vivê-la no meu lugar.
O que eu sinto se torna confuso pra mim. Como ir atrás do que quero se não sei o que eu quero?
Às vezes, gostaria que alguém pudesse responder as minhas perguntas.
Mas, enfim, o que é o melhor pra mim?
Um mar de pensamentos inunda a minha mente, um turbilhão de sentimentos me perturba; os mais controversos.
Já não sei para onde ir ou como agir. Por que não encarar de frente? De novo, por medo. O medo é um retrocesso, não só me paralisa, mas me faz voltar para trás. Como se mudanças não tivessem ocorrido em mim nesse meio tempo.
Eu gosto de viver, mas não sei direito como se faz isso. Parece que eu nunca vivi antes. Existe um treinamento que não seja a própria vida?
Num dia tenho plena convicção do que quero, na semana seguinte já não sei mais meu nome. Acho que poderia me chamar Inconstância. Belo nome! Nunca uma palavra descreveu tão bem um ser humano.
Eu sou, mas não sei ser.
Eu procuro com que intenção? Não sei se o que me move é carência, dependência … sei lá.
Minhas certezas são muito poucas, e antes eu tinha tantas!
Há tanto para dizer, há tanto para fazer. Mas não posso e nem sei começar pelo início. Porque minha memória não tem sequência, o que eu vivo hoje se mistura com o que vivi, e às vezes não posso discernir a realidade da fantasia.
Recordo da minha maldade, da extrema sensibilidade, das dificuldades, dos pavores, dos receios, das angústias, tantas tentativas, tantas desistências. Tantos começos, poucos meios, menos fins.
Eu amo e odeio, eu choro e dou risada, eu falo e pouco calo, eu atribulo e não pacifico, eu intensifico, eu não espero e disparo, eu temo e paro, eu quero e não quero, eu vou e às vezes volto, eu amo mas não me solto, eu penso e não posso. E é tanto que me desespero.
Estou sempre ligada em alta voltagem, e quando cai a força vou para o fundo do poço, mas sempre retorno à superfície. Sou forte e frágil, não sou calma, sou intempestiva, sou tempestade, não trago a bonança. Às vezes, esqueço da minha criança. Amo minha cachorra como jamais amei outro ser. E, dessa vez, mesmo sem ser como eu quero, não me desespero.
Meu instinto maternal me assusta.
Percebi que estou enrolando para não chegar onde realmente devo. Tenho medo de ser sincera comigo. Não sei até onde quero ir com isso.
Escrevo para tentar esvaziar um pouco a minha mente e tentar dormir em paz!

Mais de 10 anos se passaram e, ao reler a carta, percebi algumas coisas.

Essa busca por mim é muito antiga, talvez já esteja comigo desde o período fetal. A necessidade de saber quem eu sou e o meu papel nesse mundo me levou por uma jornada cheia de altos e baixos. Já estive no cume rodeada de luz e já fui a mosca no cocô do cavalo do bandido, às vezes tudo isso num só dia.

Não vou dizer que a angústia presente naquele momento não existe mais, porque eu estaria mentindo, mas notei que ela diminuiu consideravelmente.

Percebo que sempre associei essa busca por propósito com a descoberta de uma carreira profissional e me sentia frustrada por não trabalhar com algo que eu gostasse e me identificasse.

Mas hoje, pra mim, o meu propósito de vida é muito mais do que isso.

Trabalhar com o que se ama deve ser muito bom, talvez um dia eu vivencie essa experiência. Mas, meu propósito não precisa estar necessariamente ligado com o trabalho que eu farei para ganhar dinheiro, me sustentar e realizar alguns sonhos. Talvez, esse trabalho seja apenas um meio, e não um fim.

Porque existe o lado de fora e o lado de dentro, e esse “dentro” é o que sempre me fez questionar, quem eu sou e o que vim fazer aqui.

Por muito tempo eu priorizei uma ilusória linha de chegada, onde eu encontraria as respostas para as minhas perguntas e elas me dariam a sensação de completude. Mas, eu já sou completa e só estou aqui para relembrar.

Esse relembrar é a minha jornada, mesmo sem saber o destino final.

Voltando a antigos padrões

hpyo24wmsle-amy-humphries

Ativei o botão de autodestruição, de novo!

De tempos em tempos eu faço isso. Essa parte em mim que de vez em quando adormece, desperta e quer me ferir. Volto para os antigos padrões de pensamento, descuido da minha alimentação e me entupo de alimentos que eu sei que me fazem mal, não me exercito, me sinto miserável e o ciclo se repete.

Eu já sei que tudo isso faz parte da autopunição a que me impus e eu conheço todos esses sintomas a nível consciente, mas tem algo acontecendo bem dentro de mim que ainda não consegui acessar. O que ativa esse comportamento? De onde vem a necessidade de me destruir?

Sou o tipo de pessoa que precisa “exercitar” sempre o otimismo e a alegria de viver, caso contrário, tenho tendência a mergulhar fundo na minha sombra da autopiedade e faço coisas para me machucar.

De quem eu quero me vingar? Eu faço isso para atingir alguém, além de mim? Eu sinto prazer na dor? Por que, mesmo sabendo que faço isso de tempos em tempos, continuo repetindo esse padrão negativo?

Estou cansada de entrar repetidamente nesse ciclo. Tem alguma lição que ainda não aprendi? Ainda me assombro com a minha capacidade de autopunição. Ingenuamente, achei que saber que faço isso já seria meio caminho andado, achei que não repetiria mais esses antigos comportamentos, achei que estava livre de me causar dor. Mas, pelo visto, tem algo em mim que ainda não curei.

Mergulhei no desânimo e no negativismo e tive dificuldades de sair. Acessei alguns sentimentos que, aparentemente, eu estava mantendo escondidos. Senti raiva! Raiva dos médicos que não descobrem o que eu tenho, raiva de mim por entregar a minha saúde na mão de terceiros e esperar por milagres, raiva por descuidar de mim, raiva por sentir raiva … raiva.

Alguns parágrafos acima eu disse que, pra mim, o otimismo é um exercício; e é. Às vezes, esqueço que o pessimismo é meu vício. Tenho que estar sempre vigilante e prestar atenção nos meus pensamentos e nas coisas que leio/ouço/assisto; não consigo me manter afastada das energias que me puxam pra baixo só desejando. Preciso adquirir uma consciência maior sobre mim. Mas, me sinto tão sozinha!

Apesar de saber que não acontece só comigo, sinto que me isolo na minha bolha de autocomiseração. E eu sei que sou eu que faço isso; eu que me fecho, eu que me guardo, eu que me tranco e não deixo ninguém entrar. Porque, quando volto para esse círculo de dor, o que eu quero mesmo é continuar no meu processo sadomasoquista.

Nesses momentos de escuridão, necessito me afastar um pouco do que me puxa ainda mais pra baixo. Mesmo sabendo que esse é um processo interno e que o que acontece a minha volta não é o responsável pela forma como me sinto, preciso deixar o que está fora, distante de mim.

As notícias ruins, as conversas desesperançosas, o negativismo do outro e a raiva que não é a minha, ganham proporções maiores quando estou assim. Tudo me atinge, tudo me toca, tudo me empurra pro meu vício. Então, chega o momento de me retirar pra me curar.

A alimentação, o dinheiro e as escolhas

9lckfcavak-siamak-djamei

Já faz alguns meses que embarquei nessa mudança de hábitos, principalmente com relação à alimentação, e tem algumas coisas que percebi.

Nem sempre é possível fazer as coisas da forma exata que planejamos em nossos sonhos. Eu adoraria poder me alimentar somente de orgânicos, mas infelizmente não consigo por vários motivos.

O motivo principal que me impede de realizar esse desejo é a questão financeira, pelo menos no momento presente. Pagamos nossas compras com um cartão alimentação que o Ciro recebe no trabalho; os supermercados aceitam esses cartões, mas nem todo mercado tem uma seção de orgânicos. E, a outra parte da questão é que aqui onde moramos não está fácil achar produtos com valor acessível, a diferença de preços entre orgânicos e não orgânicos pode ser gritante.

Perto de mim tem alguns pontos de venda de alimentos orgânicos, mas na maior parte deles só consigo encontrar legumes e verduras e a variedade não é extensa. São basicamente os mesmos vegetais toda semana. O Cestão Biodinâmico facilita bastante, as feirinhas também (lá encontramos frutas), mas eles não aceitam cartão alimentação, somente dinheiro.

Eu sei que a variação de preços e do que encontrar depende muito do lugar que você mora. Sigo algumas pessoas no Instagram que sempre postam as fotos dos seus orgânicos e dos valores pagos e a diferença é absurda. Às vezes, chego a pagar três vezes mais do que eles pelo mesmo alimento.

São várias coisas que me fizeram pensar que, no momento, tenho que me adaptar da melhor forma possível. Comer alimentos saudáveis com agrotóxico ainda é melhor do que não comer nenhum. Infelizmente, a realidade é essa.

Enquanto não tivermos a nossa horta em casa, enquanto o Brasil ainda for um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo, enquanto ainda não houver produção suficiente de alimentos orgânicos, enquanto a nossa condição financeira não nos permitir gastos maiores; temos que nos virar do jeito que der.

Existem várias receitinhas na internet de como retirar o agrotóxico, essa é uma delas, mas pra quem tem reação ao iodo, acho que não é recomendável; aqui nesse site tem outras dicas. Outras fontes dizem que mesmo lavando bem e descascando e/ou retirando sementes, ainda podemos ter resquícios de veneno porque, em alguns casos, ele penetra no alimento não ficando só na casca.

É algo que eu penso, é algo que tenho receio. Tenho medo de estar me envenenando demais, mas não comer frutas, verduras e legumes, não é uma opção pra mim.

No meu cenário de mundo ideal não haveria mais agrotóxico, todo alimento que vem da terra seria de fonte segura e confiável, nenhum animal seria explorado e morto para o nosso prazer, todos teríamos nossas hortinhas em casa e trocaríamos alimentos com os vizinhos, não existiria a fome e nem as doenças causadas pela má alimentação, a quantidade de lixo que produzimos seria reduzida consideravelmente, nossas águas não seriam contaminadas e seríamos uma comunidade praticamente autossustentável. Mas, por enquanto e a nível global, esse é só um sonho.

Na minha rotina estou tentando descobrir novas possibilidades de causar um impacto menor, tanto na minha saúde quanto no planeta. Ainda não estou no patamar que eu gostaria, mas estou tentando aceitar e não me culpar por não ter chegado lá ainda.

Por enquanto, como orgânicos quando for possível e tento, na maior parte do tempo, me alimentar de forma saudável. Veja bem, eu disse na maior parte do tempo, porque também tenho meus momentos de junk food. É que, hoje em dia, o meu junk não é tão junk quanto antigamente, mas só porque fiz algumas trocas.

Como é uma mudança de estilo de vida que pretendo que seja duradoura, estou tentando tirar a culpa e a autocobrança para deixar esse processo mais leve. E, sei que quanto mais eu me desintoxicar, mais serei capaz de escutar o meu corpo e dar a ele somente o que ele precisa. Uma hora eu chego lá!